LEISHMANIOSE

Leishmaniose

Como é transmitida?

Como é transmitida?

A leishmaniose é transmitida principalmente aos cães e seres humanos por um vetor, através da picada de um inseto minúsculo, peludo e voador (que mede entre 2 a 4 mm) denominado flebótomo (ver foto 1). Este inseto é o único vetor biológico do parasita Leishmania infantum em Portugal. A leishmaniose é transmitida aos cães quando o flebótomo fêmea se alimenta do seu sangue, sendo este processo vital para a sua reprodução.

Os flebótomos estão disseminados na região mediterrânica, na maior parte do continente africano e no Médio Oriente. Em Portugal, duas espécies têm um papel predominante na transmissão da doença: Phlebotomus perniciosus e Phlebotomus ariasi.

A distribuição geográfica dos flebótomos, especialmente de P. perniciosus, disseminou-se recentemente desde a região mediterrânica para novas áreas da Europa, tais como, norte da Itália, Suíça e sul da Alemanha. Quase todo o território continental Português é endémico de Leishmaniose Canina e os estudos efetuados revelam que em regiões onde o risco de infeção era reduzido, aumentou substancialmente.
O período de atividade do flebótomo depende de vários fatores: temperatura, vento e tempo. O pico de atividade tem lugar ao anoitecer e com temperaturas mínimas entre 18 e 22 ºC.
A época de atividade situa-se entre os meses de junho a setembro, ou mesmo de março a novembro, se as condições meteorológicas forem favoráveis (por ex., no sul do País) e as picadas ocorrem sobretudo ao anoitecer. O pico de transmissão da leishmaniose ocorre no fim do verão/início do outono nas nossas regiões de clima temperado.